TREMMA

COMUNICAÇAO CULTURAL

Casa da Luz apresenta exposição coletiva de artistas mulheres sobre a agressividade

A Casa Luz tem o prazer de receber, entre 15 de março e 10 de abril, a exposição “Feras”, coletiva composta por obras de artistas mulheres, que através desenhos, instalações, colagens, ilustrações e poesias, refletem sobre os sentimentos femininos.

Participam obras de Cris Varkulja, Jess Torres, Julia Vaz, Ligia Guimarães, Maitê Bueno, Tatti Vaz.

 

Feras

Abaixo segue um poema-release escrito pelas artistas:

“Somos bichos de intenção cativa. Involuntariamente doces, doces. 

A feminilidade deve ser passiva. 

Somo selvagens perdidas. Mulheres perdidas, plácidas. Mulheres alteradas. A beira de um ataque de nervos. De nervos.

Sem saber manejar a energia. 

Energia ferina que explode no peito. No peito, na cara vermelha.

Energia ferina, ferina pra quem?

A mulher moderna não lida com agressividade. 

A mulher moderna, animal doméstico, domado, dama, rejeita a agressividade pelo bem. Pelo bem de quem?

Feras escondidas por baixo da derme. 

Feras sedadas. 

Feras acuadas. Feras amansadas. Feras apontadas como feras. Feras autoproclamadas. Feras perseguidas. 

Mas sempre, Feras,

Manipulam a agressividade nesta exposição.”

 

Julia Vaz feras

Sobre as artistas: 

Tatti Vaz

Você já sentiu o peso das palavras?

A série de ilustrações da Tati Vaz para exposição FERAS aborda a agressão psicologia e verbal, aquelas que deixam marcas na alma, que fragmentam o peito, e transborda o corpo de soluços. É transpor da dor através da luta. É o erguer dos braços, o entrelaçar dos dedos dizendo que você não está sozinha. É força, é vida.

Julia Vaz

 

Partindo de pesquisa sobre a Rainha Vashti, destronada por desobedecer os caprichos do rei, Julia Vaz reverencia sua história com desenhos a nanquim que retratam a própria rainha e os obstáculos que a mulher precisa enfrentar agressivamente para atingir seus objetivos frente à sociedade patriarcal e seus “reis”.

Maitê Bueno

Maitê Bueno, artista mix mídia, apresenta #artecura, instalações luminosas de colagens, desenhos e poesia sobre radiografias.

Jess Torres

Agressividade mal elaborada. Raiva não expressada. Contida. Toxidade não expurgada. Formação de coágulos físicos, emocionais e culturais. Soluções emboloradas. Sangrias. Sangrar.

Percursos da raiva no corpo e a relação com o que está fora, em desenho, experimentação visual e texto.

|

Serviço:

Exposição “Feras”

Abertura dia 15 de março, das 19:00 às 22:00

Exposição até 10 de abril de 2018

Casa da Luz

Luz: r. Mauá, 512, próximo à estação Luz do Metrô, tel. (11) 3326-7274. Ter. a qui., 14h/22h. http://casadaluz.org

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Informação

Publicado em 14 de março de 2018 por em Uncategorized.
%d blogueiros gostam disto: